2 de fevereiro de 2017

Desapegando dos bens materiais para a energia fluir

despertar, desapegar, desapego

Tracei planos para este ano e o desapego precisa acontecer para que tudo caminhe devidamente: estou dando tchau para livros, mangás, filmes, roupas, móveis, maquiagens, coleções, itens de casa. Confesso, está sendo uma etapa difícil.

Sou daquelas pessoas meio apegada as coisas, sabe?!? Sou acumuladora também. Tenho mais maquiagem pessoal (além das de trabalho) do que um humano é capaz de usar. Livros aos montes, entre lidos e a ler, e uma lista enorme de desejados, sem falar dos mangás. O resto você já deve imaginar como é: tenho até hoje meus recortes das Chiquititas, e confesso que não sei como será ao chegar nessa parte do desapego, porque ano passado passei por ela e nada se foi.

O processo de desapego começou lá por setembro de 2016, cada mês mexia em uma parte da casa e tirava uma coisa e outra. De tudo, o que está sendo mais tranquilo desapegar, além das roupas, são os livros. Sim, os livros.

Quem me conhece sabe que sou louca por eles e que é incrível eu dizer isso. Eu também acho. Mas depois do Kindle eu não acho mais necessário ter trocentos livros na estante, apesar de lindo, maravilhoso. Hoje, quero só deixar aqueles que amei demais, os que tiveram aquela pitada que fez a diferença para mim. Os outros estão indo aos poucos: dei, vendi e ando trocando no Skoob [vai lá] (mais livros assim, né? Eu sei, mas isso é assunto para outro post). O que vale é que na minha mente ficou bem claro que não é preciso ter livros e livros na estante. Trocando, dando, vendendo eu ajudo outras pessoas. Acredito que esse seja o principal motivo para que este processo do desapego esteja mais fácil.

O desapego não é tão tranquilo, minha gentem, mas é libertador. Sei que parece clichê, mas é verdade. Cada vez que uma coisa se vai eu fico feliz, porque sei que a cada tchau a realização das minhas metas está mais próxima. O tal do “abrir mão de umas coisas para que outras cheguem”. Então, o processo do desapego aqui em casa está 100 por hora e vamos ver aonde vai ar. Vou contando.

E você, está nesse processo, já passou por ele ou quer inseri-lo na sua vida? :)

Imagem: Mônica Crema

Acompanhe o Papuff: Facebook | Twitter | Instagram | Skoob
Reactions:

2 comentários:

  1. Oi, Mariana! Passando pra conhecer seu cantinho também :)
    Nossa, sempre bom pensar em desapego, especialmente desta memória que se acumula em nossas prateleiras... Em minha última mudança (há quase dois anos), tive que me desfazer de muitos livros e estantes, então, tento manter um hábito de guardar apenas os-melhores-livros-da-vida rs - o que não é fácil, já que as edições estão cada vez mais bonitas, sem contar os presentes e sorteios e trocas literárias que realizamos com os amigos... É um desafio, mas algo importante na vida da gente sim...
    Que 2017 seja um ano bacana pra todos nós!
    Bjs,
    Rebeca

    http://blogpapelpapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale, é uma "batalha" tipo diária. E quando a gente desapega é bom, mas confesso que há dias que penso: devia ter ficado com esse livro...uahuahuahua
      Amém! s2

      Excluir